domingo, 28 de maio de 2017

Montagem de um canteiro passo-a-passo

A minha traquilidade mental por estes dias é proporcional ao número de horas que consigo passar a cuidar das minhas plantas. 

Criar um canteiro de raíz e plantar partindo de raízes biológicas foi algo que apenas pús em prática há uns meses e realmente num pequeno espaço pode-se criar from the scratch algo realmente produtivo.

Se estão a pensar montar um canteiro que exiga pouco espaço e baixa manutenção podem começar pelas alfaces e pelos rabanetes que são francamente fáceis de produzir mesmo por alguém que como eu tem experiência zero nestas andanças...

Um pequeno espaço é mais que suficiente para o cultivo  de ambos e ao canteiro maior do jardim,que já partilhei convosco, resolvi juntar um que vi à venda no IKEA por 29,99€ e simplesmente não lhe consegui resistir. Este está montado numa varanda. Se a tua varanda é pequena existe o mesmo modelo com metade da área.

1º Passo: Colocar argila expandida no fundo para criar uma zona de drenagem;


2º Passo: Cobrir com uma malha própria para que a terra não tape os espaços entre a argila. Eu usei um pedaço de tecido que tinha e funciona na perfeição.


 3º Passo: Cobrir com subtrato. Eu usei uma mistura do meu composto (falei dele aqui) com um subtrato que há à venda em sacos de 50 litros por cerca de 3€.
 4º Passo: Cobrir com o subtrato até à borda. Com o tempo e principalmente depois das primeiras regas, o solo abate alguns centímetros.
 5º Passo: Semear em filas as sementes das plantas que desejar.
Como este canteiro é muito baixo (tem 15 a 20 cm de altura) optei por plantar uma mistura de alfaces e rabanetes em filas alternadas.

Neste momento já colhi a maior parte dos rabanetes e plantei alguns morangueiros por terem também raízes pequenas. As alfaces como foram plantadas muito juntas tem sido usadas para replantar o canteiro maior que tenho e algumas espacei para terem mais espaço para crescerem. Se não tiverem espaço, podem optar por colher as folhas mais pequenas, dando assim espaço para que outras cresçam. Baby leafs dão ótimas saladas! São tenras e saborosas.

Já os rabanetes em 30 dias dão raízes com cerca de 2,5cm. São crocantes e apimentados. As folhas têm sabor ligeiramente apimentado. De 15 em 15 dias vou plantando e tenho sempre rabanetes prontos a consumir.

Temos comido de várias formas, em saladas, em omoletes, em assados, no pão ou simplesmente para enriquecer as minhas refeições.








domingo, 14 de maio de 2017

Zero Waste: Como usar a meloa da casca às sementes

Eis um exemplo de desperdício zero que consegui fazer com duas meloas que comprei já bem docinhas apesar de ainda não estar bem na altura delas! Mas já vos conto tudo...

Ultimamente tenho andado a fazer um esforço por reduzir de forma drástica os resíduos cá de casa. E reduzir, significa reduzir também a quantidade de resíduos que, vão para a reciclagem, já que os resíduo do lixo comum estão muito próximos do zero.

Os frascos de vidro lá em casa servem para quase tudo. Servem para armazenaar, para congelar, para servir e para levar a marmita. Já há quem tenha reparado que na minha lancheira vão invariavelmente frascos para os iogurtes sólidos e líquidos, para os sumos naturais, para as granolas caseiras, para os frutos secos, para os almoços e até já tenho uma amiga que é a minha principal fornecedora de frascos de vidro de todos os tamanhos e formas ;)

Mas aquilo que realmente me deixa feliz é conseguir dar bom fim aos produtos que acabo por ter de consumir! Desta vez, falo-vos da meloa e da forma de a usar de forma integral, desde a casca às pevides.

Em 2010 partilhei convosco algo idêntico, mas com a laranja. Podem seguir o link.

Se me deixa feliz a possibilidade de não trazer impacto ambiental com as minhas opções, mais feliz me deixa saber que melhoro inclusivamente a alimentação da minha família!

A polpa da meloa foi comida ao natural, como sobremesa do jantar de ontem, mas as sementes e a polpa que estava a elas agarradas, viraram uma bebida vegetal docinha e aromática para juntarem aos batidos, ao café ou aos molhos das vossas refeições. Eu quis logo experimentar no meu "leite" com café turbinado que ficou ainda mais aromático que o habitual.
O meu turninado com "leite" de sementes de meloa, um expresso longo, canela, gengibre, curcuma, pimenta preta, e um pedacinho de óleo de côco.

O meu marido preferiu beber mesmo ao natural sem mais nada, mas eu apostaria na sua mistura com um batido de frutas ou aromatizada com um pau de canela e gengibre.


Pode parecer estranho, beber as meloa desta forma mas as sementes da meloa são muito ricas em vitamina B12, A, B6, D, E e K. Além disso, as quantidades de proteínas, lípidos, fibras e carotenoides, presentes nas sementes, são superiores as encontradas na polpa da fruta. Fantástico, não é? Se pesquisarem pelos seus benefícios, encontrarão ainda mais benefícios, embora o sabor do sumo realmente fale por si.
Para os interessados, a receita é basicamente a mesma daqui. Apenas alterei a proporção da água de 1 de sementes para 3 de água, com a benesse de não ter de demolhar nada de véspera. Se não quiserem fazer o "leite" de imediato, podem guardar as sementes no frigorífico de um dia para o outro.

A casca para mim foi uma bênção, porque as nossas alfaces estavam a ser "degustadas" por umas pequenas lesmas e as cascas foram a minha salvação! Como não uso nenhum tipo de fertilizante e muito menos de pesticida, as cascas serviram de engodo para os caracóis e lesmas.

Se repararem na foto, vê-se pequenos sulcos na casca,  que significa que para já as minha alfaces estão a salvo. Depois, quando já não tiver mais uso para elas, coloco no compostor, que me tem dado um belíssimo composto/adubo vegetal excelente para as culturas biológicas.



Para quem não tem compostor, não fica sem uma alternativa. Se ferverem as cascas durante alguns minutos com água apenas a cobrir as cascas partidas em pequenos pedaços, colocam tudo no liquidificador e usam o resultado para colocarem na vossa receita preferida de pão ou, quem sabe, até de bolo.

Esta é uma receita com a qual me cruzei hoje e que é para testar em breve. 


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Leite vegetal de millet

Por cá continuo a experimentar "leites" vegetais. Desta vez resolvi experimentar o leite de millet. O modo de preparação é idêntico ao do leite de arroz, mas como o millet é mais interessante sob o ponto de vista nutricional, resolvi experimentar.
 

Sinceramente não é dos meus leites vegetais preferidos. Tal como o de arroz e o de aveia fica mais espesso e ao fim de algumas horas fica com um depósito no fundo da garrafa. De qualquer forma, na minha opinião, é muito mais saboroso que o de aveia.

O leite de aveia, arroz e millet são ótimos para serem usados para molhos (ou mesmo para bolos) em substituição do leite de vaca porque tornam o molho mais aveludado e consistente.

Para usar para beber simples ou para misturar com o café, como faço esporadicamente, prefiro o leite de cânhamo ou de sêsamo. Em breve, partilho como fiz o de cânhamo, para mim o meu preferido em termos de sabor e consistência, além de que nutricionalmente será, porventura, o mais completo.

Ingredientes:
- 1 chávena de millet
- 4 chávenas de água
Preparação:
- Demolhar o millet durante a noite;
- Descartar a água da demolha e cozer com o dobro da água durante 5 minutos;
- Juntar a água e o millet cozido e centrifugar por 1 a 2 minutos;
- Filtrar a mistura com um coador de rede fina.

Eu filtrei a mistura com um pano de algodão, mas correu muito mal, porque a mistura é grossa, por isso aconselho a usar um coador de rede metálica.

Não sei se referi isto na última vez que falei dos leites vegetais, mas é muito importante que os recipientes estejam muito bem esterilizados de forma a manter a segurança alimentar. Dizem que o as bebidas vegetais aguentam 3 dias no frigorífico, mas eu já testei com os meus e aguentam bem 4 a 5 dias, sem problema. 

O truque que costumo usar é usar embalagens de menor capacidade se for usar poucas quantidades, uma vez que estando fechadas se aguentam durante mais tempo. Já experimentei congelar, mas como não descongelei ainda não sei se alterará a consistência.

O ideal é mesmo ir fazendo pequenas quantidades e o leite acabado de espremer é sempre melhor do que o espremido de véspera!




quinta-feira, 4 de maio de 2017

Coisas simples

Coisas simples que me fazem feliz: olhar para o prato da minha salada do almoço e aperceber-me que é tudo cá da minha horta ou de outras hortas que não usam produtos químicos!

 Salada de alfaces de vários tipos, com espinafres, abacate, laranja e rabanetes.

E é assim, bem avitaminada, que entro em modo de "quase fim-de-semana"...

Vê também...

Related Posts with Thumbnails